Arquivo mensais:novembro 2013

Especialização e aprimoramento são fundamentais para a empresária*

Mesmo com um negócio cada vez mais consolidado, a proprietária da Alimex Soluções em Alimentação, Gircilene de Castro, continua se especializando e aprimorando seus conhecimentos. Desde 2008, quando a Alimex tinha apenas um ano de mercado e apenas dois trabalhadores contratados, ela já fazia parte do “Programa 10 Mil Mulheres”, iniciativa idealizada pelo Banco Goldmann Sachs e desenvolvida pela Fundação Dom Cabral (FDC), com o objetivo de aprimorar a capacidade administrativa feminina.

“Fui a primeira mulher selecionada para participar do programa e minha parceria com a FDC permanece desde então. Ela foi essencial para que a Alimex caminhasse pelo rumo certo”, afirma a empresária, enfatizando que um empreendedor bem-sucedido não precisa apenas de determinação, mas também de conhecimento. Além da FDC, ela afirma recorrer com freqüência aos cursos ofertados pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). Dessa maneira, ela encontra subsídios para encarar aqueles que considera os seus principais desafios, como o controle dos custos e manutenção dos padrões de qualidade.

* Matéria publicada no Diário do Comércio, no dia 15/11/2013.

Meta da mineira Alimex é dobrar seu faturamento até o final do ano que vem*

O antigo sonho de administrar o próprio negócio motivou a relações públicas Gircilene de Castro a abandonar, após 15 anos, o estável emprego em uma empresa multinacional no Rio de Janeiro. Com muito empenho e determinação, ela fundou, em 2007, a Alimex Soluções em Alimentação, especializada em fornecer todos os tipos de refeição, sobretudo a empresas de médio e grande porte. Ao longo de apenas seis anos, a organização já conquistou oito clientes fixos, dentre eles a Construtora Andrade Gutierrez e a Tecnowatt Iluminação, e emprega 42 funcionários.

Apesar de tanto sucesso em um curto período, os bons resultados registrados até agora são apenas o começo para a empresária. Isso porque, até o final de 2014 ela pretende estabelecer de seis a oito novos contratos e, conseqüentemente, dobrar o faturamento, bem como o número de colaboradores efetivados. Para ajudá-la a concretizar as ambiciosas metas, ela conta, há três anos, com um sócio e investe constantemente em melhorias na sede da Alimex, localizada no bairro Jardim Canadá, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Os sócios Davi Soares e Gircilene de Castro (centro) com a equipe de nutricionistas/Alisson J. Silva

Os sócios Davi Soares e Gircilene de Castro (centro) com a equipe de nutricionistas/Alisson J. Silva

“Neste ano, o nosso foco foi a estruturação do negócios, o que é indispensável ao nosso maior objetivo, que é avançar de maneira sólida e gradativa. Assim, a partir de 2014, vamos ter um Departamento Comercial, voltado à captação de novos clientes”, explica Gircilene de Castro, ressaltando que os treinamentos dos funcionários também serão intensificados, com o objetivo de padronizar os processos executados dentro de cada cliente.

Para ela, o bom desempenho da Alimex no mercado está relacionado ao fato de a organização ter a preocupação de conhecer bem o cliente, identificar as suas reais necessidades para, dessa maneira, desenvolver soluções que atendam as suas particularidades. O negócio da Alimex consiste na elaboração de um cardápio balanceado para todas as refeições do dia, desde o café da manhã até a ceia, passando por almoço, lanches da manhã e tarde. Todo o menu é executado dentro da cozinha do cliente, por cozinheiras contratadas pela empresa, mediante a supervisão de nutricionistas, responsáveis por exercer o cargo de gerentes de unidade.

Na visão da empreendedora, o mercado no qual atua tem boas perspectivas de expansão, tendo em vista que um número cada vez maior de empresas busca maneiras de aumentar a produtividade dos seus empregados. “Não restam dúvidas de que o funcionário bem alimentado produz mais e melhor”, frisa ela. A empresária ainda observa que a alimentação dentro da empresa é um dos maiores benefícios oferecidos ao colaborador, uma vez que aquele que leva marmita de casa muitas vezes não carrega uma quantidade suficiente. Já o que recebe tíquete para comer em restaurantes, comumente opta por economizar o valor para outras ocasiões prejudicando, dessa maneira, a nutrição do seu dia a dia.

* Matéria publicada no Diário do Comércio, no dia 15/11/2013.