Arquivo mensais:setembro 2014

Crescimento da Alimex é notícia em portal americano

A história de sucesso da Alimex foi relatada pelo The Huffinton Post, um dos principais sites de notícias dos Estados Unidos. No dia 30 de setembro, foi publicada uma reportagem sobre como um grupo de mulheres empresárias conseguiu multiplicar seu faturamento depois que tiveram acesso ao Programa 10.000 Mulheres, do banco de investimentos Goldman Sachs.

O caso da Alimex foi o primeiro relatado na reportagem. A entrevista foi feita com sua fundadora, a empresária Gircilene Castro, durante a sua estadia em Nova York para participar de um evento na Fundação Hilary Clinton, em setembro.

The Huffington Post é um dos principais portais de notícias dos Estados Unidos

The Huffington Post é um dos principais portais dos EUA

Confira a reportagem na íntegra:

How This Group Of Women Entrepreneurs Increased Their Revenue By 480 Percent*

Posted: Updated:

The odds were stacked against Gircilene Gilca de Castro when she set out to launch her catering company several years ago.

Gilca de Castro, 44, comes from a self-described “very humble” background. Many women in her community in Belo Horizonte, Brazil, have several kids and few job skills by the time they reach their late teens, she said. Gilca de Castro had already launched a company that failed after just one year.

Today, her business has 12 clients and a staff of 45, most of whom are women. The catering company allows Gilca de Castro to afford a prestigious bilingual school for her 7-year-old daughter, she said recently, her damp eyes beaming with pride. “My brothers were always like, ‘You’re crazy, how are you going to start a company now?’” she said through a translator. “That’s where the character, the profile of the entrepreneur, comes out. You believe in yourself.”

business owner

De Castro with some of her staffers.

In addition to her own perseverance, Gilca de Castro credits another, more surprising source for her success: Goldman Sachs. Gilca de Castro is one of the thousands of graduates of Goldman’s 10,000 women initiative, which aims to help female entrepreneurs in emerging economies grow their businesses. Through the selective program, women attend classes at local business schools and participate in networking and mentoring events, with an eye towards learning skills like writing a business plan and raising capital.

Goldman launched the program in 2008, when the financial sector had become the public’s punching bag. Goldman, later dubbed the “Vampire Squid,” symbolized for many the kinds of excesses, greed and penchant for extreme risk that dragged the economy into crisis. But for Gilca de Castro and thousands of other women in the program around the world, the bank has offered new resources to help them grow their small businesses.

Nearly 70 percent of the participants in Goldman’s program increased their revenues 18 months after graduation, according to a progress report by researchers at Babson College, produced earlier this month in collaboration with the bank. The women saw revenue growth of 480 percent on average, the report found.

women chart
This chart from the Babson report shows how program participants have increased their staff and revenues after 18 months.

Despite the impressive growth, the program has had trouble moving the needle in one important category: Convincing the entrepreneurs to ask for outside money. Just 47 percent of the women in the program applied for external funding before or after completion, even though a large share said they needed it, according to the progress report.

Part of the reason the women are so hesitant to ask for the money is because they’re nervous they won’t get it, according to Patricia Greene, a professor of entrepreneurship at Babson who worked on the report. Even in the U.S., where the business world is theoretically egalitarian, companies with female CEOs made up less than 3 percent of the businesses that got venture capital funding between 2011 and 2013, according to another study published Tuesday by Babson.

“No one likes to fail,” Greene said. “You like to have some confidence that when you’re stepping into something, there’s some good likelihood of success.”

Participating in Goldman’s program helped Sharmila Jain gain that confidence, she said. Jain owns a packaging company in Hyderabad, India, and she was seeking a loan to build a new plant at the same time that she was taking classes at a local business school through 10,000 Women. Securing the funding was of tantamount importance: At the time, Jain was pursuing a large, European client who would only sign on with her if she moved out of her “ramshackle” factory, she said.

As she was contemplating giving up on the client, Jain, 46, shared her story with a professor who urged her to press on. A month later, she got the client, and several months after that she had a brand new plant. Jain now has 57 workers and does $75,000 in business every year, she said.

Jain credits her success both to the Goldman program and to her own “stubborn” attitude in the face of societal pressures to focus on taking care of family instead of on a career. “I thought just because I’m a girl, it doesn’t mean that I don’t deserve respect,” she said.

Success stories like Jain’s are important to more than just the entrepreneurs themselves because “growth begets growth,” Greene said. “It changes stereotypes, changes the amount of money circulating in the economy, creates jobs,” she said.

Some have suggested that Goldman’s program could do more for economic development by not limiting the enrollees to women. At a lunch announcing the progress report to a group that included bankers, academics and philanthropists, a few attendees noted that entrepreneurs in emerging markets all face huge barriers to growing their businesses, regardless of gender. “Most of the efforts these days are more integrated,” said Mauro Guillen, the author of Women Entrepreneurs, Inspiring Stories from Emerging Economies and Developing Countries and a professor of international management at Penn’s Wharton School of Business.

And even as Goldman pays special attention to female small business owners abroad, the bank — like the rest of Wall Street — could do more to help women internally. Justone of the company’s executive officers is a woman, according to Goldman’s website, and only about 20 percent of the managing directors in its latest class are female, according to an analysis by CNBC.

Still, since the 1970s, economists have recognized the importance of investing in women to spur growth in countries racing to become so-called “developed markets.” A book published around that time by Danish economist Ester Boserup, called Women’s Role In Economic Development, pushed organizations like the United Nations and the World Bank to launch programs focused on the issue.

“If you have this human capital embedded in women and if for whatever reason they’re underrepresented in any sphere of economic activity, then that’s a wasted resource, you’re wasting at least half of the talent pool,” said Guillen. “It’s impossible for any country in the world to be rich without having a very high labor participation rate by women.”

* Reportagem publicada no portal de notícias americano The Huffington Post, no dia 30/09/2014.

Empreendedora mineira recebe prêmio nos Estados Unidos*

Gircilene e a ex-secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton (Foto: Divulgação)

Gircilene e a ex-secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton (Foto: Divulgação)

A empreendedora mineira Gircilene de Castro, 40 anos, receberá na próxima segunda-feira, dia 6, o prêmio 2014 Goldman Sachs & Fortune Global Woman Leaders Award, uma iniciativa do Banco Goldamn Sachs e da Revista Fortune. A premiação, no valor de US$ 25 mil, é um reconhecimento do trabalho da empresária pela sua contribuição ao desenvolvimento econômico e social de muitos brasileiros. O valor será entregue pessoalmente, durante evento na cidade de Laguna Niguel, nos Estados Unidos.

Gircilene é a fundadora da Alimex, empresa do segmento de alimentação corporativa que faturou R$ 3 milhões em 2013. Ela também foi a primeira brasileira a participar o programa 10.000 Mulheres, oferecido pelo banco de investimentos Goldman Sachs em parceria com a Fundação Dom Cabral. O projeto capacitou 10 mil mulheres em todo o mundo no período de cinco anos.

Com os US$ 25 mil, a empreendedora vai abrir um centro de treinamento e capacitação. No local será oferecido um curso com 12 encontros, que vai qualificar mulheres para atuar no setor alimentício. As alunas que se destacarem nas aulas, que incluem técnicas de cozinha e preparo de pratos, poderão realizar um estágio na Alimex.

No início de setembro, Gircilene participou de um evento na Fundação Hilary Clinton, em Nova York (EUA). No evento, a empreendedora discursou sua história a autoridades de renome, como a ex-secretária de Estado dos Estados Unidos, Hilary Clinton, e ao presidente do Goldman Sachs, Lloyd Blankfein

A história de Gircilene

Há seis anos, a empresaria fundou seu negócio. Depois de uma infância difícil (aos sete anos, ela viu sua mãe se mudar de Dionísio para Belo Horizonte a fim de sustentar a família com emprego de camareira em um hotel), Gircilene trabalhou muito, fez cursos à noite e pesquisou o mercado até resolver empreender.

Sem dinheiro para divulgar a empresa no início do negócio, Gircilene saiu de bairro em bairro de Belo Horizonte para apresentar a Alimex. Dois meses depois, a empresaria conseguiu seu primeiro comprador. Hoje, a empresa tem entre seus clientes a construtora Andrade Gutierrez.

* Reportagem publicada no site da revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios, no dia 29/09/14.

Mulheres, Filantropia e Mudança Social*

Em 17 de setembro ,  o Brasil Foundation e convidados participaram, em Nova York, de um painel de discussão sobre “Mulheres, Filantropia e Mudança Social”. A palestra contou com três das XII Gala New York homenageadas, bem como representantes do Financial Times e Goldman Sachs 10.000 Mulheres .

Noa Meyer, Diretora Geral e Chefe Global de 10.000 Mulheres , Goldman Sachs, abriu a conversa, afirmando que a oportunidade para o crescimento econômico é vasta, através de programas que apoiem ​​as mulheres empresárias. Ela também focou sua palestra sobre um sistema de medição em que a Goldman Sachs usa para avaliar seu sucesso apoio às mulheres líderes globais. “Percebemos que, investindo em receitas, o número de mulheres quintuplicou e  a renda dobrou … mas também tem um efeito multiplicador na comunidade”, explicou. Meyer então introduziu a primeira participante do 10.000 Mulheres no Brasil, Gircilene Gilca de Castro, que fundou Alimex Soluções em Alimentação Ltda. Desde que completou 10 mil mulheres, a receita do negócio de Castro aumentou em 900% e ela contratou mais de 40 novos funcionários, a maioria dos quais são mulheres.

John Moncure, homenageados BrazilFoundation, Gircilene, beneficiário das Goldman Sachs 10.000 Mulheres, e Patricia Lobaccaro

John Moncure, homenageados BrazilFoundation, Gircilene, beneficiário das Goldman Sachs 10.000 Mulheres, e Patricia Lobaccaro

Leona Forman e Gircilene

Leona Forman e Gircilene

Em seguida, Anália Timbó (Fundador da Vidanca) Maria de Lourdes Braz(Fundador da Casa de Santa Ana) e Brigitte Louchez (Coordenador da Barraca da Amizade), deu declarações sobre os desafios que enfrentam como mulheres líderes no Brasil. As três mulheres são bolseiras da Fundação, e homenageados na XII Gala New York . As três mulheres têm enfrentado muitas lutas e superaram obstáculos significativos ao iniciar seus projetos, tendo dificuldade em obter financiamento. “Aqui no Brasil, as pessoas dão-lhe um monte de desculpas para não ajudar. ‘Não há recursos suficientes. Não há um caminho’ ouvimos”, disse Lourdes. Embora tenham estabelecido os seus projetos por anos, as mulheres têm enfrentado dificuldades em manter o apoio para as suas operações. “Ter a sustentabilidade institucional é um sonho para todos nós. Nós três já fomos reconhecidas por nosso trabalho e nossos projetos receberam prêmios. No entanto, todos nós também tivemos perto de fechar as portas nos últimos 1, 2 anos”, observou Timbó. Apesar destes desafios, todas as mulheres continuam a liderar seus projetos com o espírito: “Eu tenho dois filhos. E meu sonho é tornar o Brasil melhor para eles “, disse Louchez.

A editora-chefe no Financial Times, Gillian Tett , encerrou o evento com observações sobre a importância de investir em mulheres, e sobre como o envolvimento das mulheres na economia ou a falta dela deve ser levado em consideração na análise do estado da economia, “Se pudermos convencer as mulheres a se engajarem e contribuírem, então será melhor para todos os lados. Eu acho que todos nós sabemos disso “, afirmou.

*Matéria publicada no blog da Brazil Foundation, no dia 18/09/2014.

Palestra da Alimex emociona grupo de executivas

O exemplo de sucesso da Alimex ajudou a inspirar um grupo formado por diretoras e gerentes ligadas à tomada de decisões estratégicas de grandes corporações nacionais e internacionais. A fundadora da empresa, Gircilene Castro, participou, hoje, de uma das aulas do Programa Womens Global Leaders, promovido pela Fundação Dom Cabral. Ela contou como conseguiu se recuperar de uma falência e fazer com que sua empresa saltasse de 2 para 12 clientes, em apenas 7 anos.

“Precisei me afastar temporariamente do gerenciamento da empresa em 2007,  por causa do nascimento da minha filha. Deixei tudo com o meu sócio, que não soube conduzir os trabalhos. Quando voltei, estava atolada em dívidas e sem clientes” , relatou Gircilene.

Segundo ela, a volta por cima aconteceu quando se inscreveu na Associação dos Empresários do Bairro Jardim Canadá, em Nova Lima. Lá a empresária ficou sabendo sobre o Programa 10.000 Mulheres, desenvolvido pelo banco de investimentos Goldman Sachs, em parceria com a Fundação Dom Cabral.

Gircilene Castro falou para alunas do Programa Womens Global Leaders, da FDC

Gircilene Castro falou para alunas do Programa Womens Global Leaders, da FDC

“Tenho muito orgulho de dizer que fui a primeira mulher escolhida para participar do Programa e aprendi absolutamente tudo o que eu precisava para não só recuperar a minha empresa, mas fazer com que ela crescesse cada dia mais”, lembrou.

O exemplo de superação e a força de vontade de Gircilene Castro fizeram com que ela fosse reconhecida pelo Goldman Sachs e a Fundação Dom Cabral como referência de sucesso do Programa no Brasil. Hoje, ela viaja o mundo para demonstrar como as mulheres podem se tornar empoderadas se tiverem oportunidade de desenvolver suas potencialidades.

A história da Alimex emocionou as executivas que participaram do Programa Womens Global Leaders, que puderam refletir sobre os desafios que envolvem suas atividades profissionais e a capacidade que cada uma tem de superá-los. “Só tenho a agradecer por ter terminado o dia de uma maneira tão inspiradora. O exemplo da Gircilene é um grande incentivo para nós. Ela conseguiu crescer em um ambiente muito mais adverso que o nosso, que vivemos protegidas pelas super estruturas das nossas empresas. Vamos levar o empreendedorismo dela conosco”, relatou a sócia-diretora da MPP Consultoria Empresarial, Malu Pinto.

Empresária Malu Pinto se inspirou com a história de Gircilene

Empresária Malu Pinto se inspirou com a história de Gircilene

Não se chega a lugar nenhum sozinho

O grande marco na história da Alimex foi a oportunidade dada à fundadora da empresa, Gircilene Castro, de participar do Programa 10.000 Mulheres, idealizado pelo banco de investimentos Goldman Sachs e desenvolvido, no Brasil, pela Fundação Dom Cabral.

Ela foi a primeira de 800 brasileiras empreendedoras a participar do Programa. Com o conhecimento que adquiriu, Gircilene conseguiu fazer a Alimex crescer e aparecer, sendo reconhecida, atualmente, como uma das empresas mais promissoras no segmento de cozinha industrial do mercado mineiro.

Hoje, ela é uma das porta-vozes da iniciativa e viaja o mundo para dar palestras a outras mulheres empreendedoras. O caso de sucesso da Alimex faz parte do material que apresenta os resultados do Programa. Em seu depoimento, Gircilene conta como essa parceria foi importante para a Alimex.

Ex-participante do 10.000 Women ganha prêmio na Califórnia*

A ex-participante do Programa 10.000 Mulheres, Gircilene Castro, foi a ganhadora do “2014 Goldman Sachs & Fortune Global Woman Leaders Award”. A premiação, no valor de U$ 25 mil, será entregue no dia 6 de outubro, em Laguna Niguel, na Califórnia.

A iniciativa é uma parceria do Banco Goldamn Sachs e da Revista Fortune, e busca valorizar o trabalho de empreendedoras que estejam contribuindo com o desenvolvimento econômico e social em seus países. A empresária Gircilene Castro atua no setor de alimentação corporativa e participou da primeira turma do 10.000 Women de Belo Horizonte, em 2010.

Com o dinheiro, Gircilene pretende abrir um centro de treinamento para capacitar mulheres para atuarem no setor alimentício, em um curso com 12 encontros. Com turmas de, no máximo, sete participantes e aulas ministradas por Gircilene e por um chef sênior, as mulheres vão aprender técnicas de cozinha e de preparo de pratos, com a possibilidade de realização de estágio na Alimex, empresa de Gircilene.

A oportunidade de estágio será concedida às candidatas que se destacarem no curso. O projeto fomenta o desenvolvimento social do país a partir da geração de empregos na comunidade e qualificação de profissionais no setor alimentício, já que já uma notável carência de especialistas nesta área.

Para a gerente de Projetos Marcele Viana, “o prêmio valoriza a influência da mulher na sociedade e só reforça o quanto as mulheres são capazes de impactar positivamente outras mulheres. A mulher que se sente valorizada e empoderada é um instrumento valioso para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva”.

O projeto 10.000 Women foi uma inciativa do Banco Goldman Sachs para capacitar 10 mil mulheres em todo o mundo no período de cinco anos. Como parceira do projeto, a Fundação Dom Cabral já capacitou 800 mulheres, sendo 500 em Minas Gerais e 300 no Rio de Janeiro.

* Matéria publicada no site da Fundação Dom Cabral, em 05/09/2014.